Pular para o conteúdo principal

Dúvidas frequentes


O QUE É PSICOTERAPIA?


Psicoterapia: (psique = alma; terapia = tratamento
A psicoterapia é um método de tratamento; uma aplicação dos conhecimentos da Psicologia na clínica, sendo também denominada Psicologia Clínica  e necessariamente deve ser exercida por um psicólogo que esteja registrado no CRP - Conselho Regional de Psicologia. 
No trabalho é nos relacionamentos sociais e afetivos sempre estamos em contato com o outro. O que nos solicita uma negociação entre o que desejamos e o que podemos de fato realizar em um determinado momento e numa determinada relação, algumas vezes adiando desejos e satisfações ou substituindo-os.
Além da demanda externa temos a demanda interna para atender e esta não é livre de contradições, as vezes nos deparamos com quereres e desejos contraditório dentro de nós mesmos.
A psicoterapia tem como intuito o encontro com nossa verdade para que possamos  fazer escolhas verdadeiras de acordo o que somos bem como lidarmos com nossas conflitos internos e as demandas vindas do mundo externo de forma a não adoecermos e podermos nos realizar nas várias fases e âmbitos da vida.
De que modo a psicoterapia pode me ajudar? 

A Psicoterapia ajuda a pessoa a entrar em contato com seus desejos e necessidades e re-situa-los no presente, considerando sua história e a  pessoa que é hoje.

A psicoterapia  através da relação terapeuta-paciente  traz a possibilidade da pessoa viver uma nova oportunidade que muitas vezes perdeu-se no passado longínquo de ser reconhecida e reconhecer-se.


Texto: Autoria Própria


O QUE É PSICANÁLISE?

   
"O termo psicanálise é usado para se referir a uma teoria, a um método de investigação e a uma prática profissional. Enquanto teoria, caracteriza-se por um conjunto de conhecimentos sistematizados sobre o funcionamento da vida psíquica; como método de investigação, constitui método interpretativo, que busca o significado oculto daquilo que é manifesto através de ações e palavras ou através de produções imaginárias; por fim, como prática profissional, refere-se ao tratamento psicológico que visa a cura ou o autoconhecimento.”
(Bock, A.; Furtado, O.; Teixeira, M., 1995)


QUAL DIFERENÇA ENTRE O TRABALHO DO PSICÓLOGO, PSICANALISTA E PSIQUIATRA?


As atuações das três profissões “psis”.

O termo “psi”, bastante utilizado pelas pessoas, muitas vezes pode ser permeado de confusão quanto aos significados, principalmente quando se refere aos profissionais indicados por este termo: psiquiatra, psicólogo ou psicanalista.

O psiquiatra é um profissional da medicina que após ter concluído sua formação, opta pela especialização em psiquiatria. Esta é realizada em 2 ou 3 anos e abrange estudos em neurologia, psicofarmacologia e treinamento específico para diferentes modalidades de atendimento, tendo por objetivo tratar as doenças mentais. Ele é apto a prescrever medicamentos, habilidade não designada ao psicólogo. Em alguns casos, a psicoterapia e o tratamento psiquiátrico devem ser aliados.

O psicólogo tem formação superior em psicologia, ciência que estuda os processos mentais (sentimentos, pensamentos, razão) e o comportamento humano. O curso tem duração de 4 anos para o bacharelado e licenciatura e 5 anos para obtenção do título de psicólogo. No decorrer do curso a teoria é complementada por estágios supervisionados que habilitam o psicólogo a realizar psicodiagnóstico, psicoterapia, orientação, entre outras. Pode atuar no campo da psicologia clínica, escolar, social, do trabalho, entre outras.

O profissional pode optar por um curso de formação em uma abordagem teórica, como a gestalt-terapia, a psicanálise, a terapia cognitivo-comportamental.

O psicanalista é o profissional que possui uma formação em psicanálise, método terapêutico criado pelo médico austríaco Sigmund Freud, que consiste na interpretação dos conteúdos inconscientes de palavras, ações e produções imaginárias de uma pessoa, baseada nas associações livres e na transferência. Segundo a instituição formadora, o psicanalista pode ter formação em diferentes áreas de ensino superior.

Por Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola
 

TERAPIA DE CASAL AJUDA A RESOLVER CONFLITOS?

Os relacionamentos compõem os laços afetivos e são muito importantes e saudáveis para a vida das pessoas. Mas conviver com os outros e compartilhar a vida com alguém de forma harmônica se torna um desafio para muitos.
Além das divergências de opinião e daquelas “manias” que o outro insiste em manter e que acabam irritando, há também outros problemas cotidianos que acabam causando momentos de desavenças e de crise no relacionamento.
Com esses momentos de crise o casal acaba se distanciando mais e o diálogo, que é fundamental para um bom relacionamento, acaba se tornando algo tenso e difícil de ser conduzido.
Os momentos de crise não necessariamente apontam o fim do amor, da admiração ou o término do relacionamento. Eles têm a função de avisar ao casal que algo está errado e necessita de ajustes para que o relacionamento continue dando certo.
Se mediante uma situação de crise uma das partes fica com medo das consequências futuras e procura fazer as pazes com o outro sem tocar no motivo da discórdia, ou sem chegar a um entendimento sobre o ocorrido, o problema não é resolvido, ele apenas é deixado de lado. O hábito de deixar os problemas de lado sem resolvê-los se torna prejudicial ao casal, porque quando houver um novo desentendimento, as questões antigas serão trazidas à tona e a situação piorará cada vez mais.
A cada novo desentendimento as mágoas surgirão e aumentarão como uma bola de neve, até o momento em que as brigas se tornarão constantes, as mágoas se instalarão em ambos e o diálogo se tornará algo impraticável.
Se nas primeiras crises ou desentendimentos o casal procurar alguém para auxiliá-los, os problemas de convivência ou o fim do relacionamento poderão ser evitados. Outra queixa comum nos relacionamentos, é a diferença de ritmo e de apetite sexual.
Com esse quadro, o ideal é buscar ajuda com terapeutas de casal. Como funciona?
A finalidade não é a de dar palpites ou conselhos na vida das pessoas, mas sim identificar qual é o tipo de comunicação que prevalece no relacionamento, o que une o casal e principalmente como é a forma que ambos utilizam para expressar o afeto.
A terapia de casal tem como objetivos melhorar a comunicação, desenvolver habilidades para solucionar problemas, mudar padrões de comportamentos destrutivos, aliviar as dificuldades na cama e, principalmente, reavaliar as crenças sobre o relacionamento.
Porém se o seu parceiro é muito resistente e jamais irá aceitar a terapia como forma de restabelecer o relacionamento, o fato de somente uma das partes do casal procurar um profissional é capaz de surtir efeitos positivos no relacionamento.
Dessa forma, procure conversar com o seu parceiro sobre a terapia e procure o auxílio de um profissional para evitar que as questões cotidianas, o acúmulo de mágoas, a falta de diálogo e o excesso de rotina levem a um desgaste irreversível do relacionamento.
Caso tenha problemas no seu relacionamento tente fazer uma terapia antes de tomar uma decisão.

por Sandra Lima

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

Infidelidade: Quem ama trai?- Ana Elizabeth Diniz

Até mesmo os especialistas em comportamento humano e sexólogos têm dificuldade em conceituar a infidelidade porque ela esbarra naquilo que nos individualiza, como nossa carga emocional, história de vida, dificuldades, limitações, angústias e querências as mais diversas, algumas até patológicas.  A infidelidade requer uma visão tridimensional, "a da pessoa traída, a que trai e a terceira pessoa. Ela pressupõe a quebra do pacto de exclusividade na relação amorosa e gera sofrimento por ter que dividir o companheiro com outro alguém", afirma Clara Feldman, psicóloga, e autora dos livros "Sobre-vivendo à traição", "De Paixão e Cegueira" e "Encontro, uma Abordagem Humanista". Motivações não faltam para explicar a infidelidade. "Alguns argumentam que a qualidade do relacionamento não está boa, que se sentem insatisfeitos com a relação, outros porque apresentam a ‘síndrome do pavão’, aquele que seduz pelo simples fato de seduzir e depois abandona a …