Pular para o conteúdo principal

Invista em você

Como a psicoterapia pode te fazer um empreendedor melhor
Empreender é uma missão às vezes bastante solitária. Você já considerou a psicoterapia para te ajudar a tomar suas decisões?
Da Endeavor Brasil - 13/08/2015

No mundo do empreendedorismo, o tempo todo estamos preocupados com a gestão do nosso negócio: plano estratégico, fluxo de caixa, plano de marketing, retorno sobre investimento, metas, benchmarking, receita, análise de mercado e por aí em diante. Sim, esses tópicos são importantes para o sucesso da empresa, mas igualmente importante é que sejamos felizes como empreendedores. E nesta jornada, sempre aparecem os dilemas.

“Não me sinto seguro para assumir a empresa da minha família”; “Penso em romper com meu sócio”; ou até mesmo “Será que está na hora de perseguir algo novo?”. Todos os que passaram por esses, ou inúmeros outros dilemas, e depois tiveram êxito em suas escolhas, sem dúvida tiveram de encarar tomadas de decisões difíceis e ousadas para levarem seu sonho adiante.

Mas àqueles que estão no meio desse caminho, com seus dilemas ativos, ainda não resolvidos, faço uma indagação: você já considerou fazer psicoterapia?
 


O que psicoterapia tem a ver com minha empresa?

Pode ser que você considere um equívoco o fato de se inserir a psicoterapia num processo decisório que está fundamentalmente calcado em indicadores de desempenho do negócio, prospecções de mercado, empreendimentos futuristas, etc. Mas explico. Sempre que nos deparamos com algum dilema significativo, em que a decisão terá um impacto marcante no futuro das nossas vidas, é natural que sejamos tomados pelas emoções.

Acordamos no meio da noite pensando nele, conversamos diariamente sobre o tema com pessoas próximas (mesmo que eles já tenham escutado a mesma história 17 vezes nas últimas duas semanas) – num dia temos certeza de uma decisão e no outro, por alguma razão, a certeza se vai e o dilema volta. E assim segue.

A boa notícia é que, quase sempre, esses dilemas significativos são também as grandes oportunidades da virada que esperávamos, de colocar nosso empreendimento num caminho próspero, de sentirmos o sabor de uma vida que vale a pena ser vivida.

E por que a psicoterapia?

A Psicologia é uma ciência com mais de 100 anos de existência e em constante evolução. Ela busca analisar, das mais variadas maneiras, a formação da personalidade das pessoas, identificar e entender padrões de comportamentos, assim como explorar um aspecto mental dos seres humanos que não é muito claro, o chamado inconsciente – um extrato de nossas mentes constituído por conteúdos que não necessariamente passam por nossa percepção.

Psicoterapeutas ajudam a refletir e buscar soluções

Dentre suas diversas possibilidades de contribuição para a saúde das pessoas, a Psicologia tem uma prática típica de atendimento individual (ou em grupos) chamadapsicoterapia, que busca acima de tudo e principalmente, o bem-estar das pessoas. É um espaço onde todos aqueles dilemas que inundam sua cabeça podem ser compartilhados com um profissional apto a acolher essas questões e apoiá-lo através de técnicas cientificamente reconhecidas, a refletir sobre esses impasses e buscar alternativas de resolvê-los.

Mas meus dilemas são sobre negócios!

“O que um psicólogo conhece sobre o retorno sobre investimento no ramo de sorvetes, ou sobre as implicações jurídicas de se abrir um Pet Shop?” – você pergunta. Respondo: provavelmente nada ou muito pouco. Mas ainda que saiba, o propósito do psicólogo é ajudar você a decidir quais são suas melhores alternativas, fazer com que você busque dentro de si, em suas vivências e experiências, respostas que supram suas questões.

É como se você estivesse num mar à deriva e pudesse enxergar algumas ilhas ao seu redor, mas ficasse em dúvida sobre qual direção remar, por não conseguir perceber a distância de cada uma delas.

Nesse momento, o Psicólogo seria aquele que te traria os instrumentos de navegação, para que você mesmo identificasse para qual direção seguir. No processo de psicoterapia, você se observa, se conhece, ouve a “voz” que vem de dentro e que diz algo positivo e benéfico para sua vida.

Cabe ressaltar que a psicoterapia não é coaching. A prática de coaching é reconhecidamente benéfica às pessoas quando praticada por profissionais sérios (vale para a Psicologia também). Podemos afirmar que, assim como a psicoterapia, de maneira geral, o coaching também visa o bem-estar. Mas são caminhos e modelos teórico-científicos bastante diferentes, assim como a formação acadêmica.

Mas psicoterapia é para mim?

É normal sentir-se indeciso.
Vamos aproveitar e quebrar alguns tabus: fazer psicoterapia não significa necessariamente que você é uma pessoa cheia de traumas ou com problemas mal resolvi
dos, deprimida ou ansiosa.
Sem dúvida a psicologia pode apoiar nisto também. Mas como qualquer pessoa, situações de indecisão podem aparecer em nossas vidas, e neste momento, talvez nos sintamos fragilizados por não conseguir decidir. Isto pode acontecer a um empreendedor de muito sucesso, ou a alguém que está na formação de seu novo negócio, sem qualquer relação direta com traumas e afins.
Também é importante de desmistificar é que fazer psicoterapia não é somente deitar num divã e falar a alguém. Existem inúmeras abordagens e técnicas psicoterápicas onde a conversa e a troca de informações são amplamente exploradas.

Aqui não há certo ou errado, nem melhor nem pior: a melhor é aquela que você se sente bem! Por fim, a psicoterapia tende a ser naturalmente um processo longo, mas não precisa ser obrigatoriamente algo interminável. Ela pode ter abordagens breves que variam de 08 a 12 sessões ou até mesmo encontros pontuais à medida que você combine as regras com seu psicólogo

Está em um grande dilema? Empreenda em si mesmo! Que tal fazer psicoterapia?!

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

Infidelidade: Quem ama trai?- Ana Elizabeth Diniz

Até mesmo os especialistas em comportamento humano e sexólogos têm dificuldade em conceituar a infidelidade porque ela esbarra naquilo que nos individualiza, como nossa carga emocional, história de vida, dificuldades, limitações, angústias e querências as mais diversas, algumas até patológicas.  A infidelidade requer uma visão tridimensional, "a da pessoa traída, a que trai e a terceira pessoa. Ela pressupõe a quebra do pacto de exclusividade na relação amorosa e gera sofrimento por ter que dividir o companheiro com outro alguém", afirma Clara Feldman, psicóloga, e autora dos livros "Sobre-vivendo à traição", "De Paixão e Cegueira" e "Encontro, uma Abordagem Humanista". Motivações não faltam para explicar a infidelidade. "Alguns argumentam que a qualidade do relacionamento não está boa, que se sentem insatisfeitos com a relação, outros porque apresentam a ‘síndrome do pavão’, aquele que seduz pelo simples fato de seduzir e depois abandona a …