Pular para o conteúdo principal

Sándor Ferenczi

Psiquiatra e psicanalista, nasceu a 7 de julho de 1873, em Miskolc, na Hungria. Sándor (diminutivo de Alexandre) era médico psiquiatra e psicanalista, originário de uma família de judeus imigrantes. Foi o clínico mais talentoso da história do freudismo e um dos seguidores da psicanálise de Freud. Tinha uma amizade íntima com Freud e foi o seu discípulo favorito e um dos seus raros amigos. 

Em 1894, Sándor obtém o seu diploma de medicina em Viena na Áustria e começa a interessar-se pelos fenómenos psíquicos e pela hipnose. Em 1897, Sándor opta pela carreira médica e começa a trabalhar no Hospital Saint Roch, em Budapeste, onde logo se mostrou adepto da medicina social e se tornou médico assistente no asilo de pobres e prostitutas. Em 1899, publica inúmeros artigos pré-analíticos até 1908, entre eles Espiritismo, dedicado à transmissão de pensamento, mas é em 1900 que se estabelece como neurologista, sendo chefe do serviço de Neurologia em 1904. 

Em 1907, entusiasmou-se pela obra de Freud, e depois de ler A Interpretação dos Sonhos, visitou Freud em 1908, acompanhado de seu colega e amigo Fulop Stein. Iniciou assim a longa relação com aquele que se tornaria seu analista, mestre e amigo. 

Em 1908, Ferenczi participou do I Congresso de Psicanálise em Salzburgo e fez uma conferência sobre "Psicanálise e pedagogia". Ao mesmo tempo em que prosseguia a sua análise com Freud, Ferenczi devotava-se de corpo e alma à "causa" freudiana. Um ano mais tarde, acompanhou Freud na sua célebre viagem aos Estados Unidos, juntamente com Jung, e publicou seu primeiro grande trabalho teórico Transferência e Introjeção. 

Em 1909, fundou a International Psychoanalytical Association (IPA). 

Em 1913, criou com Sándor Rado, Istvan Hollos, Lajos Levy e Hugo Ignotus a Sociedade Psicanalítica de Budapeste. Membro do Comité Secreto de Psicanálise, a partir de 1913 participou de todas as atividades da Direção do movimento freudiano. 

Em 1914, Ferenczi analisou duas grandes figuras do movimento psicanalítico: Geza Roheim e Melanie Klein, e em 1918 é eleito presidente da Associação Internacional de Psicanálise. 

Em 1919, é criada pela primeira vez no Mundo uma cátedra de ensino (a primeira cadeira de Psicanálise), na Universidade de Budapeste. Em agosto de 1921, Ferenczi vai a Baden-Baden conhecer Groddeck, que seria seu amigo por toda a vida. Aos 60 anos de idade, em 24 de maio, morre em Budapeste, subitamente, em consequência de problemas respiratórios provocados por uma anemia perniciosa. 

A originalidade do seu pensamento e o papel que desempenhou no nascimento do movimento psicanalítico húngaro e internacional faz de Sándor Ferenczi uma das figuras mais eminentes e mais originais da psicanálise. Foi através dele que a escola húngara de psicanálise, da qual foi o primeiro professor, produziu uma prestigiosa filiação de ilustres nomes do movimento, entre os quais Melanie Klein, Geza Roheim e Michael Balint. Até o fim da sua vida, não cessou de tentar criar novas técnicas mais eficazes que o tratamento clássico, a fim de proporcionar uma melhor ajuda aos pacientes. A sua experiência e reflexão levaram-no a inventar uma técnica dita ativa, que convida o paciente, por injunções e proibições, a uma "atividade" destinada a arrancá-lo da repetição. Inventou a técnica ativa, que consiste em intervir diretamente no tratamento, através de gestos de ternura e afeto, e depois a análise mútua, durante a qual o analisando é convidado a "dirigir" o tratamento ao mesmo tempo que o terapeuta. 

As experiências técnicas de Ferenczi não foram aceitas por Freud e culminaram na rutura entre os dois homens em 1933, ano da morte de Ferenczi. 

Publicou vários livros, de onde se pode destacar Transferência e Introjeção, O Conceito de Introjeção, O Pequeno Homem-Galo, e em 1919 publicou A Técnica Psicanalítica, ponto de partida de uma reflexão aventurosa, original e que conduziu a uma rutura com Freud e com o seu movimento psicanalítico Em 1924, publica Thalassa: Ensaio sobre a Teoria da Genitalidade, obra sobre o trauma do nascimento. 



Fonte: Infopédia

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

A escuta como instrumento de trabalho do psicólogo

"O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: "Se eu fosse você". A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. É na não escuta que ele termina. Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção." O que geralmente queremos quando vamos ao psicólogo? Rubem Alves (1999) de forma simples e doce nos respondeu. Queremos alguém que nos escute silenciosamente, sem julgamentos, sem opinar. É na dor da angústia, do sofrimento que surge a necessidade de falar, compartilhar com alguém algo que é só nosso, não diz respeito a ninguém, mas que precisa de um outro para servir de amparo. Pois, se o sofrimento é adquirido através da comunicação, ele pode ser aliviado pela mesma via. Amatuzzi (1999), citando clássicos como Carl Rogers, Paulo Freire, dentre outros, fal…