Pular para o conteúdo principal

Distinção teórico-clínica entre depressão, luto e melancolia (Parte I)

                                                                 Edouard-Hamman-Desilusión     


Na obra de Freud, o luto aparece tanto na sua exposição sobre a melancolia, como no estudo das sociedades primitivas ligado aos tabus que as organizam (Freud, [1913] 1996). Segundo Freud ([1917] 1996), o enlutado mantém-se temporariamente num estado de rebaixamento libidinal e sofrimento ante a morte ou a perda cujos efeitos se fazem valer pela possibilidade de dotar a dor de um término factível. O luto é evocado pelo sujeito no sentido de fazer com que a dor não se eternize, o que o define efetivamente como um "trabalho psíquico". Ratifica-se na obra de Freud que o trabalho do luto tem a função de elaboração e assimilação psíquica da perda, bem como de possibilitar a separação com relação ao objeto perdido e o reinvestimento num substituto. O enlutado martiriza-se pela perda, recorda-se constantemente do morto. Ele trabalha no sentido de dar um estatuto afirmativo a algo que se perdeu, bem como dotar este fato de um arcabouço simbólico.

Em "Luto e melancolia" ([1917] 1996), Freud descreve de maneira mais detida as características do processo de luto, visando distingui-lo da manifestação melancólica. Ali, ele considera que no luto prevalece uma inibição da atividade e do eu, uma "perda 'temporária' da capacidade de adotar um novo objeto de amor" (Freud, [1917] 1996: 250).

Na melancolia, a perda do objeto toma outro destino, distinto do luto. Ali, o objeto perdido é o próprio motivo da condição trágica do sujeito, na medida em que a ambivalência passa a assumir seu caráter violento na relação com o objeto. A ambivalência retrata uma forma de reação à perda cujo destino é o empobrecimento subjetivo. Identificado, paradoxalmente, ao objeto perdido (identificação narcísica), o sujeito entra num movimento deassassinato de si mesmo, deflagrando um jogo de forças que reveste de uma moral aviltante o ódio ao objeto (Freud, [1917] 1996: 250). Como resultado desse jogo de forças aparece a autoflagelação subjetiva, característica de um senso crítico sempre pronto a massacrar o próprio eu do melancólico.

Com efeito, o melancólico vê-se inteiramente absorvido pela perda e afirma de maneira violenta sua condição ante o próprio sofrimento. O melancólico despe-se ao extremo em seu discurso, referindo-se a si mesmo com a violência de quem odeia, rejeita ou deseja vingança. O eu do melancólico acede a um estatuto de vazio absoluto, no qual é desvelada a condição mesma da mortalidade, da fraqueza, da desvalia, do desprezo. "Ele se repreende" - diz Freud -, "se envilece, esperando ser expulso e punido. Degrada-se perante todos, e sente comiseração por seus próprios parentes por estarem ligados a uma pessoa tão desprezível" (Freud, [1917] 1996: 252).

A autoacusação, a autoflagelação e o movimento mortífero do melancólico em direção ao seu próprio eu revelam, para Freud, uma circunstância psicopatológica específica: o melancólico não faz o luto da perda objetal. Ele se identifica ao objeto perdido, numa situação que sinaliza um quadro narcísico peculiar. Isto coloca Freud na direção de uma abordagem metapsicológica diferenciada acerca desta disposição subjetiva.

A identificação melancólica caracteriza-se, a partir disso, não como uma identificação aos traços (identificação histérica), que tem como efeito a constituição de um precipitado de identificações (cf. Freud, [1923] 1996). Verifica-se que na melancolia a perda é recusada, e, através da identificação narcísica, o melancólico mantém o objeto dentro de si. Pinheiro (1993) assevera que: "Neste caso é como se a identificação trouxesse o objeto in toto, em bloco. Na ausência da dialética identificatória feita por traços, o objeto torna-se, por assim dizer, um posseiro que ocupa o espaço egoico, num projeto mimético e metonímico levado ao extremo" (Pinheiro, 1993: 53).

O estudo da melancolia na psicanálise conta com a contribuição de importantes autores. Discutiremos os trabalhos de Abraham e Torok ([1972] 1995), que procuraram esclarecer essa questão sob o ponto de vista do conceito de incorporação, além das proposições de Lambotte (2001) sobre o discurso melancólico. A especificidade do problema concernente à identificação na melancolia revela precisamente que nesta o objeto não foi introjetado, mas foi incorporado. A noção de incorporação, presente nas teorias de Abraham e Torok, tem como referência fundamental o pensamento de Ferenczi, do qual se extrai o conceito de clivagem articulado à teoria do trauma (Ferenczi, [1933] 1992).

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE FERENCZI, ABRAHAM E TOROK

A obra de Ferenczi é uma importante referência para o avanço desses temas, à medida que oferece um rico universo de reflexão sobre determinadas modalidades de sofrimento não circunscritas ao paradigma da histeria. O trauma ferencziano retrata um modo peculiar de subjetivação cujo enfoque abriu importante campo de investigação sobre a melancolia na obra de Torok.

Torok dá uma dimensão teoricamente mais abrangente e clinicamente mais específica à teoria do trauma de Ferenczi, principalmente no que tange à temática da identificação. A autora articula o universo conceitual da identificação com o agressor e da clivagem, descritas pelo mestre húngaro, com seu próprio conceito de incorporação. Segundo Torok, a incorporação, ao contrário da noção ferencziana de introjeção, está na base da experiência melancólica. A incorporação se apresenta na subjetividade como algo que, ligado à experiência traumática, fica impossibilitado de se incluir, de se articular psiquicamente, manifestando-se de forma maciça, sem inscrição numa cadeia associativa. A fantasia da incorporação é, segundo Abraham e Torok ([1972] 1995), uma recusa da introjeção. Ao invés de introjetar o objeto perdido, através da atribuição de sentido com consequente metaforização (característica do universo polissêmico), há uma incorporação maciça desse objeto (hostil), por fantasia. Ocorre algo análogo a um enquistamento do objeto no psiquismo.

Este é o caso apenas para as perdas [narcísicas] que não podem - por alguma razão - se confessar enquanto perdas. [...] Todas as palavras que não puderam ser ditas, todas as cenas que não puderam ser rememoradas, todas as lágrimas que não puderam ser vertidas serão engolidas, assim como, ao mesmo tempo, o traumatismo, causa da perda. Engolidos e postos em conserva. O luto indizível instaura no interior do sujeito uma sepultura secreta (Abraham & Torok, [1972] 1995: 249; grifo nosso).

A ideia de incorporação em Torok é extremamente relevante para se pensar a subjetividade melancólica. Na melancolia pode-se perceber uma dificuldade profunda na subjetivação da própria existência. O sentimento de existência de si mesmo torna-se extremamente frágil perante a onipotência do outro incorporado na identificação narcísica. No mesmo traçado teórico do conceito de clivagem em Ferenczi, e de incorporação em Torok, pode-se conceber na melancolia a ideia de uma não-inscrição psíquica da perda do objeto perante a fragilidade narcísica do melancólico, permanecendo o objeto clivado dentro do próprio eu (cf. Verztman, 2002).

Maria Teresa da Silveira Pinheiro Psicanalista; Pesquisadora da UFRJ, Coordenadora do Núcleo de Estudos em Psicanálise e Clínica da Contemporaneidade (UFRJ) 
Rogerio Robbe Quintella Psicólogo (UFF), Doutor (UFRJ); Membro do Núcleo de Estudos em Psicanálise e Clínica da Contemporaneidade (UFRJ) 
Julio Sergio Verztman Psicanalista; Psiquiatra do IPUB-UFRJ, Doutor (UFRJ), Coordenador do Núcleo de Estudos em Psicanálise e Clínica da Contemporaneidade (UFRJ)


Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

A escuta como instrumento de trabalho do psicólogo

"O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: "Se eu fosse você". A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. É na não escuta que ele termina. Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção." O que geralmente queremos quando vamos ao psicólogo? Rubem Alves (1999) de forma simples e doce nos respondeu. Queremos alguém que nos escute silenciosamente, sem julgamentos, sem opinar. É na dor da angústia, do sofrimento que surge a necessidade de falar, compartilhar com alguém algo que é só nosso, não diz respeito a ninguém, mas que precisa de um outro para servir de amparo. Pois, se o sofrimento é adquirido através da comunicação, ele pode ser aliviado pela mesma via. Amatuzzi (1999), citando clássicos como Carl Rogers, Paulo Freire, dentre outros, fal…