Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2015

Café Literário da Psicabalitica - "Humor é coisa séria" Abrão Slavutzky

Os psicanalistas fazem distinção do humor como gesto espontâneo, que abraca ambiguidades e a dor do humor negro, ironia, sarcasmo. Não é o humor usado como defesa, idealização, negação, formação reativa. É o humor como leveza. O humor que não nega a dor, mas auxilia a lidar com ela.
Bom vídeo!!  :)

Mergulho

Tem uma hora que a boca seca, você olha a sua volta e o ar está abafado. É a crise hídrica, o final do planeta terra que vinha sendo anunciado há tanto tempo. Não, não é apenas isso. Como se fosse pouco. A verdade é que você é humano e as misérias do planeta o atingem mais porque está frágil. Olha bem e vê sua vida.  Não está onde queria, não desejou nada disso. Gosta de gente, está sozinho. Gosta de estar sozinho, está cheio do tumulto a sua volta. Tudo está mudado agora. Tudo que construiu anos atrás.  Seus filhos se foram ou não nasceram. Dentro dos seus olhos ainda há miragens e no espelho um olhar inquisidor. Há alguns cabelos que insistem em se pratearem e você se pergunta o porquê do tempo se ontem você podia construir uma vida inteira diferente deles. Olha para fora e não vê nada.  Dentro há fumaça dos seus sonhos queimando.  Sabe que não é o fim. È o fim de algo. O começo de outra coisa. O que acabou?  Muitas coisas.  Outra vida. A vida que você desejou e não aconteceu. Def…

Pai que mima filho adulto 'castra' potencialidades

É comum encontrar pais que estendem os cuidados que têm com os filhos durante a infância para outras fases da vida. Na adolescência, por exemplo, continuam a levá-los para escola e, mesmo o estudante cursando o ensino médio, tomam todas as providências dos trabalhos escolares e cuidam de afazeres domésticos que o jovem, teoricamente, teria de fazer, como arrumar a cama e organizar o quarto. Em muitos casos, quando os filhos atingem a idade adulta, os pais seguem tomando conta de coisas que eles deveriam assumir, como marcar consultas médicas, pagar contas no banco, licenciar o carro, fazer o Imposto de Renda etc. Ou seja, demandas de qualquer adulto. Alguns são bem-sucedidos profissionalmente e financeiramente independentes, mas preferem ficar sob os cuidados paternos em determinados aspectos. Antes de buscar compreender o que há por trás dessa dinâmica familiar, a psiquiatra Julieta Mejia Guevara, diretora da Neurohealth – Centro de Métodos Biológicos em Psiquiatria, do Rio de Janeiro …