Pular para o conteúdo principal

Eu, mamãe e os meninos



"É genial.
Acabei de perceber algo incrível. 
De fato, o que distingue as mulheres é a sua forma de respirar.  
Sim.
É mais macio.
Variável.
Menos linear, uniforme.
É isso.
A respiração de uma mulher varia o tempo todo
depende se estar emocionada ou concentrada osedutora ou charmosa..."




A origem do filme Eu, mamãe e os meninos (Les Garçons et Guillaume, à table!) é uma peça solo de Gallienne inspirada  na sua história pessoal, sendo que neste interpreta a si mesmo e sua mãe, o que é muito conveniente para expressar a alienação no desejo materno da qual parte a trajetória do personagem rumo a uma escolha alicerçada no próprio desejo. A comédia ganhou cinco categorias do César na França, incluindo melhor filme e melhor ator.
O nome do filme em francês é a frase que a mãe usava para chamar o protagonista e os irmãos à mesa. Guillaume era assim diferenciado dos irmãos, mas ao sê-lo era retirado da categoria de meninos!  
Nas suas fantasias ele era a menina desejada, a mãe, Sissi. Imitava a mãe tão bem que numa cena, a avó materna está de costas e este responde “com a voz materna” . A avó prossegue e apenas ao se virar descobre que é o neto.  Então de forma cifrada o alerta que não deve se enganar e se lamentar, mas ainda Guillaume tem um longo caminho a percorrer, terá que se deparar com medos e  descobrir alguns véus.
A mãe havia desejado uma menina, os irmãos o rotulam de homossexual, o pai rejeita seus trejeitos afeminados, percebendo que há um consentimento da mãe, mas sem se aproximar do filho, apenas o envia para o mais longe. 
O filme, nos faz pensar, antes  da posição sexuada e da escolha de objeto temos que nos constituir, simplesmente SER. Quem é Guillaume? Ele imita a mãe, seus trejeitos, sua voz, seu andar. É para se diferenciar que a imita, para ser tão grande quanto ela. Ser o falo. Não para ser mulher, se o fosse, seria transexual. Guillarme busca ser um entre muitos, ser diferente, não ser igual. Ser menina seria uma resposta ao desejo da mãe, mas também o diferenciaria, já que naquela família ser um menino não foi um lugar que ele ao nascer foi destinado como atrativo ou positivo, ele também não pode o positivar.
Numa cena temos Guilhaume Gallienne perguntando : Mamãe, dei de cara com meu primeiro amor hoje! Lembra da Ana?”, sua mãe responde: “Como ele está?”. È um lapso que diz do desejo da mãe que o filho fosse uma menina ou não amasse outra que não ela? Ambas as coisas podiam ser possíveis se ele fosse uma menina!!! Mas Guilhaume não é uma menina!!!
Guilharme sai do lugar de alienação do desejo materno e de ter raiva de parecer o que todos dizem que é e parte em na busca de saber quem é e qual é o seu desejo.
Nascemos num corpo biologicamente sexuado, mas a posição sexuada feminina/masculina e a escolha pela homossexualidade ou heterossexualidade  ocorre no caminho, entre este primeiro amor à mãe, que pode ser esta mulher que jorra igual “Cataratas do Iguaçu” (fala da personagem no filme ao ir ao banheiro), é portanto, não é exatamente uma  mulher. É necessário reconhecê-la "envergonhada" (fala do personagem, que aqui utilizarmos como similar a não-completa, fálica), não-toda...para podermos amarmos a nós mesmos e a uma outra pessoa.

Autoria própria, 14/12/2014


Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

A escuta como instrumento de trabalho do psicólogo

"O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: "Se eu fosse você". A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. É na não escuta que ele termina. Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção." O que geralmente queremos quando vamos ao psicólogo? Rubem Alves (1999) de forma simples e doce nos respondeu. Queremos alguém que nos escute silenciosamente, sem julgamentos, sem opinar. É na dor da angústia, do sofrimento que surge a necessidade de falar, compartilhar com alguém algo que é só nosso, não diz respeito a ninguém, mas que precisa de um outro para servir de amparo. Pois, se o sofrimento é adquirido através da comunicação, ele pode ser aliviado pela mesma via. Amatuzzi (1999), citando clássicos como Carl Rogers, Paulo Freire, dentre outros, fal…