terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Estranhas Ninharias - Diana Corso


Publicado em 01/03/2013

Edição 129

Como Clarice Lispector, precisamos nos ocupar das pequenas coisas da vida: elas são a chave para os temas mais importantes

"Sou uma pessoa muito ocupada: tomo conta do mundo", escreveu Clarice Lispector. "No Jardim Botânico, então, eu fico exaurida, tenho que tomar conta com o olhar das mil plantas e árvores, e sobretudo das vitórias-régias. (...) Tomo desde criança conta de uma fileira de formigas."

Entendo semelhantes inquietudes: muitos dos nossos sentimentos são pateticamente dedicados a estranhas ninharias. Dá até vergonha de confessar. Lutamos contra os pensamentos que atestam nossa futilidade. Pedimos a nossa mente perturbada: diga logo, o que na verdade está produzindo tanto ruído? Não adianta...

Todo ano, sempre que viajo para minha cidade natal, sei que vou sentir uma pontada de angústia se não reencontrar o cachorro de um vidente que sequer consulto. Chego e vou ver se estão em seu postos, na banquinha de búzios. O velho hippie usa roupas surradas e tem longos cabelos brancos. A seu lado, em uma almofada vistosa, repousa seu cão, também grisalho. Certa vez notei a falta do cachorro e fiquei com um aperto no coração: um havia perdido o outro. Agora o vidente parecia miserável, sozinho. Para minha alegria, no dia seguinte o cão estava de volta. Com tantas preocupações dignas de nota, por que essa?

A cidade onde nasci é para mim lugar de muitas perdas, de lutos, mas também de férias felizes, da minha infância. O pequeno drama imaginário, no qual faço do cachorro e do vidente protagonistas de uma grande amizade, é uma metáfora forte. Eles representam os vínculos que fazem de alguém um ricaço e as perdas que nos depauperam. Por isso temos que nos ocupar das ninharias: elas são a chave para os temas de suma importância.

Clarice tinha a tarefa de olhar as plantas do Jardim Botânico, de cuidar da integridade da fila de formigas. Ela sabia que nossa presença no mundo faz diferença, mas está longe de ser imprescindível. A minha com certeza mais prescindível que a dela. Esse texto, chamado "Eu tomo conta do mundo", termina com a frase: "só não encontrei a quem prestar contas".

Mentirosa, essa Clarice: ela contou para nós. Na crônica e na ficção, soube ser embaixadora da vida mínima, onde pulsam máximas emoções. Fazemos parte da fila de formigas de que ela tomou conta. Somos menos solitários graças a sua generosa sinceridade. É isso que faz um grande cronista, revelar a grandeza de nossas bobagens, sem cometer a descortesia de reduzi-las à razão. Eis meu sonho de consumo ao escrever e analisar nossa vida, que nem sempre sabe ser simples. Continuarei tentando.


Diana Corso é psicanalista e, atualmente, atende jovens e adultos em Porto Alegre, onde mora. Junto com o marido, Mário Corso, é autora dos livros Fadas no Divã e Psicanálise na Terra do Nunca: ensaios sobre a fantasia, ambos pela Ed. Artmed.recentemente publicou Tomo conta do mundo - Confissões de uma psicanalista, onde uma série de crônicas que misturam a contemplação do cotidiano com uma investigação do inconsciente. 

Um comentário:

  1. Anna,

    Bela reflexão para o início de um ano novo.
    Aproveito para deixar o meu abraço.
    Feliz 2015!

    ResponderExcluir