Pular para o conteúdo principal

Uma análise sobre a loucura que mora em todos nós


O psicanalista Juan-David Nasio, autor de “Os Olhos de Laura 
— Somos Todos Loucos em Algum Recanto de Nossas Vidas"

Em “Os Olhos de Laura”, o psicanalista Juan-David Nasio busca explicar por que pessoas mentalmente saudáveis têm seus instantes de loucura

Especial para o Jornal Opção
Uma criança segura uma pomba numa das mãos. Seus olhos são grandes e tristes, olham para quem os encara fora do quadro onde sua existência artística se encerra. O quadro fica em frente à cama da irmã de Laura e a criança a observa noite e dia com seu olhar sombrio. A empregada usa a criança para fazer com que as irmãs a obedeçam; do contrário, a criança tomará seu lugar. E o que acontece com a irmã de Laura? Comete suicídio, embora já crescida, depois de viver muitos anos sob a mira da criança angustiada, presa no quadro.

Esse breve relato, digno de um curioso drama psicológico, poderia ser retratado no cinema ou na literatura, afinal Laura é um nome sonoro e portentosamente literário; a irmã suicida não é nomeada, mas é causa e efeito de um sofrimento e de uma saudade carregados por alguns anos; e o quadro, simples objeto colocado num quarto durante uma infância, torna-se personagem ausente, porém doloroso, um símbolo incubado no inconsciente, tão terrível por seu rastejar atônico, tranquilo, demorado, que acaba destruindo o sujeito afetado por sua insidiosa incubação.

Em “Os Olhos de Laura - Somos Todos Loucos em Algum Recanto de Nossas Vidas” (Zahar, 168 páginas, tradução de Claudia Berliner), o psicanalista e psiquiatra francês J.-D. Nasio usou o caso de Laura e sua irmã para mergulhar na questão das defesas psíquicas contra fatos penosos. Após uma sessão com Laura, onde não pôde prever a desolação da paciente, Nasio viu mais do que uma mulher simplesmente em prantos, ele viu a emoção destacada em seus olhos, viu “olhos chorarem”. Na sessão seguinte, os olhos de Laura se transformam nos olhos da irmã, também triste com a imagem do quadro que ambas viam durante a infância, impregnados em suas mentes. A história do quadro acende no analista o conceito de “foraclusão local”, sobre o qual o livro se alicerça.

Fundamentado por Freud e Lacan, Nasio antes prefacia sobre a pergunta “o que é estar louco?”, imprescindível para dar seguimento aos conceitos então explorados no restante das páginas e explicar por que o subtítulo do livro estende a psicose a todas as pessoas, ainda que de forma passageira. Estar louco “é ter a certeza cega da verdade do que se pensa e do que se faz [...], é ir obstinadamente atrás da nossa ideia fixa e falsa que se repete, toma conta de nós e nos impele a agir. Estar louco é não ouvir mais nada além do que se quer ouvir”. Nasio explica que a loucura ou psicose é essa ruptura com a realidade: “A mente cega curva a realidade à sua ideia, ao invés de submeter sua ideia à realidade”. Muitas vezes essa ruptura é passageira, o que ele chama de “loucura efêmera”, lembrando que todos conhecemos pessoas — incluindo nós mesmos — que apesar de coerentes, se mostraram em algum momento transtornadas, cometendo atos desproporcionais, “movidas pela certeza de estarem com a verdade”. Para concluir a razão pela qual o autor afirma que mesmo equilibrada, uma pessoa esconde “uma fantasia virulenta prestes a explodir num acesso de loucura, como um microdelírio circunscrito e ocasional”, ele explica sua ideia de “sujeito folhado”, ou seja, cada um de nós é uma “pluralidade de pessoas psíquicas”, com uma multiplicidade de camadas extremas coexistindo, sadias e doentes. Somos “vários”, portanto temos fantasias venenosas.

Com a loucura postulada, surge a pergunta: que mecanismo faz o sujeito, tanto sadio como doente, se desligar da realidade? No prisma psicanalítico, a psicose é uma resposta tardia a um trauma infantil, sua origem não é propriamente o trauma, mas a defesa do eu contra esse trauma, o que Freud qualificou como “‘psicose de defesa’, para que ficasse claro que a causa da psicose é a defesa”. Essa defesa ruim foi denominada de foraclusão, um termo proveniente do vocabulário jurídico, e proposta por Lacan para “nomear uma grave falha psíquica na resposta do eu ao impacto violento de um trauma infantil”. Nasio ainda exemplifica o significado de foraclusão comparando-o com o recalcamento, outro tipo de defesa: “Recalcar um fato angustiante significa esquecê-lo. [...] A foraclusão é uma anestesia das sensações e, portanto, da consciência do que é percebido. Percebo o acontecimento perturbador, mas não sinto nada nem reconheço a violência que ele significa. Percebo sem saber o que percebo”. Concluindo: a foraclusão é a abolição do processo de recalcamento. A partir desse conceito, Nasio cria outro, o da foraclusão local: local porque o trauma e a foraclusão que o ignora afetam uma das folhas do eu, do sujeito folhado. Entre a multidão de eus psíquicos habitando um sujeito, algum ou alguns deles são influenciados pelas pulsões e desligados da realidade, e a isso se dá o nome de “clivagem do eu”.

Quando o sujeito deixa de imprimir a representação de um objeto no psiquismo, ainda que perceba este objeto, ele está foracluindo. Anestesiado das sensações de uma realidade que lhe é intolerável, abre-se um buraco mental, do qual brotará uma psicose, incubada por anos, seja ela na forma de um delírio, ou microdelírio, alucinação ou despersonalização. E por que acontece essa ruptura? De acordo com o psicanalista, ela é a expressão clínica de um eu desesperado por colmatar, por tapar esse buraco aberto pela brutalidade da recusa foraclusiva. “A representação rejeitada retorna ao eu, transformada em percepção alucinada”, diz a fórmula freudiana da foraclusão, e ainda mais simplificada vem a tradicional fórmula lacaniana: “o que é rejeitado do símbolo reaparece no real”.

Além desses conceitos, e justamente porque é preciso explicá-los segundo uma lógica de elos que formam a corrente psicanalítica, o autor ainda explora a transferência simbólica entre analista e analisando; o inconsciente como “realidade virtual cuja faculdade é produzir efeitos reais em nossa vida”, percebido mediante nossa consciência; a localidade e o mecanismo da foraclusão, incluindo sua forma voluntária por parte do analista; o significado mais próximo de “gozo”, quando e como um paciente goza durante uma análise e como isso interfere num diagnóstico.

É por meio de alguns poucos exemplos e ideias repetidas sob vários ângulos, que Nasio constrói sua teoria e consegue nos fazer penetrar nos olhos de Laura, no motivo de sua tristeza, no labirinto emocional que forma boa parte de nossas estruturas. Como um mil-folhas com suas camadas, ou como um muro com seus tijolos, nosso eu é composto por vários eus, e entre eles existe o psicótico — só lançado acima das camadas sadias quando potencializado. “Toda pessoa normal na verdade é apenas medianamente normal, seu eu se aproxima do eu do psicótico em maior ou menor medida”, escreveu Freud. E você, ainda se acha normal?

Alex Sens Fuziy é escritor e crítico.

Fonte: http://www.jornalopcao.com.br/

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

Infidelidade: Quem ama trai?- Ana Elizabeth Diniz

Até mesmo os especialistas em comportamento humano e sexólogos têm dificuldade em conceituar a infidelidade porque ela esbarra naquilo que nos individualiza, como nossa carga emocional, história de vida, dificuldades, limitações, angústias e querências as mais diversas, algumas até patológicas.  A infidelidade requer uma visão tridimensional, "a da pessoa traída, a que trai e a terceira pessoa. Ela pressupõe a quebra do pacto de exclusividade na relação amorosa e gera sofrimento por ter que dividir o companheiro com outro alguém", afirma Clara Feldman, psicóloga, e autora dos livros "Sobre-vivendo à traição", "De Paixão e Cegueira" e "Encontro, uma Abordagem Humanista". Motivações não faltam para explicar a infidelidade. "Alguns argumentam que a qualidade do relacionamento não está boa, que se sentem insatisfeitos com a relação, outros porque apresentam a ‘síndrome do pavão’, aquele que seduz pelo simples fato de seduzir e depois abandona a …