Pular para o conteúdo principal

Green desvenda articulações entre o narcisismo e a pulsão de morte



Prefácio: O narcisismo, ontem e hoje ................................................... 9

I. TEORIA DO NARCISISMO......................................................... 31

1. Um, outro, neutro: valores narcisistas do mesmo ..................... 33

2. O narcisismo primário: estrutura ou estado?............................. 87

3. A angústia e o narcisismo....................................................... 143


II. FORMAS NARCISISTAS ............................................................ 187


4. O narcisismo moral................................................................... 189

5. O gênero neutro...................................................................... 223

6. A mãe morta............................................................................. 239


Posfácio: O Eu, mortal-imortal ........................................................ 275



André Green vem se destacando como um dos teóricos mais importantes do pensamento psicanalítico. Na década de 1970, sua polêmica com o pensamento de Lacan levou-o a escrever O discurso vivo - uma teoria psicanalítica do afeto, etapa importante do percurso de suas reflexões. Aí, apesar de reconhecer os méritos de Lacan e a influência deste em seu pensamento, ressalta que considerar o inconsciente estruturado como uma linguagem era uma mutilação do percurso freudiano pela exclusão da questão do afeto.


Muito da riqueza de seus textos deve-se à forma como ele os constrói: aponta de saída suas questões, deixando-as formarem um vivo e consistente desenho tanto no campo clínico como no teórico. Costuma convocar vários autores sobre os temas que trabalha, apontando tanto os pontos de contato como as diferenças. Assim, no rastro de um pensamento que vai buscando se constituir como próprio no contato com outros pensamentos, temos a satisfação de poder conhecer a rica bibliografia de que se serve através de pequenas sínteses e indicações. Não dispensa também a exegese da obra de Freud, trazendo sempre os meandros e as ambiguidades do pensamento deste que considera ainda o mais rigoroso e coerente de todos os autores psicanalistas.

É este veio que percorre esta excelente coletânea que reúne artigos de 1976 a 1982 sobre a questão do narcisismo. Esse conceito surgiu no âmbito psicanalítico em Para introduzir o narcisismo, escrito por Freud em 1914. Após um vacilante e rico percurso, Freud deixa-o de lado quando formula, por volta de 1920, sua segunda teoria pulsional, que postula as pulsões de vida e as pulsões de morte como as forças conflitantes na vida psíquica.

O narcisismo constitui o eixo da reflexão teórica de Green. Ele diz "haver uma articulação necessária entre o narcisismo e a pulsão de morte da qual Freud não se ocupou e que ele nos deixou para descobrir" (p. 14). Os artigos reunidos têm por objetivo pensar essas relações, conforme expõe no longo prefácio no qual faz uma espécie de alinhavo histórico-conceitual das problemáticas em torno do narcisismo e que é seguido de duas partes, uma sobre teoria e outra sobre formas narcísicas, além de um posfácio. Green propõe chamar a pulsão de morte de narcisismo negativo, duplo sombrio do eu unitário do narcisismo positivo, de modo que todo o investimento de objeto, assim como do eu, implicam seu duplo invertido que visa a um retorno regressivo ao ponto zero, que se manifesta clinicamente pelo vazio. É pela complexidade dos problemas da clínica que o lugar que ocupa o narcisismo se revela dos mais importantes e faz Green distinguir suas relações com diferentes formas clínicas. Mas é sobre os chamados casos limites que sua atenção se focaliza, ao pensar o limite como conceito e não apenas da maneira empírica que os situa nas fronteiras da psicose.

É por essa via que surge a possibilidade de aparecer a concepção nodal de seu pensamento que a bela capa do livro (da artista Ivoty Macambira) exprime de maneira muito feliz: o complexo de Édipo deve ser mantido como matriz simbólica essencial à qual é importante sempre se referir como uma triangulação axiomática, mesmo nos casos clínicos em que a regressão é dita pré-genital ou pré-edipiana, portanto, aquém da triangulação (p. 252). No entanto, é se voltando para a questão da angústia que Green propõe uma concepção estrutural organizada em torno de dois centros paradigmáticos diferentes. Por um lado, a angústia de castração, por privilegiar sua evocação no contexto de uma ferida corporal associada a um ato sangrento. Em contrapartida, quando se trata do conceito da perda do seio ou do objeto, das ameaças de abandono à perda da proteção do Supereu, a destrutividade ganha as cores do luto: preto como a depressão grave ou branco como os estados de vazio (p. 251).

O negrito de narcisismo de morte, na capa do livro, aponta bem o esforço do autor de descrever as tensões de um eu preso às malhas da lógica tecida pelo "Um, Outro e Neutro, valores narcisistas do mesmo", título de um dos capítulos. Mas se o psicanalista se vê, no seu ofício, às voltas com a angústia e a morte, não é em nome delas mesmas, e sim da vida. O opaco de narcisismo de vida na capa aponta que, se bem Green esboce no final a necessidade de que as sociedades devolvam a Eros alguns direitos de que foi espoliado, permanece ainda a necessidade de pensar o narcisismo de vida, campo das sublimações e de Eros, como o campo da singularidade às voltas com o múltiplo, sem por isso desintegrar-se ou fragmentar-se psicoticamente. Quem sabe, assim, a multiplicidade que sustenta o feminino não corra o risco de se transformar em uma visão assustadora ou em uma nova incógnita metafísica e possa expressar-se na carne do mundo.

Renata Udler Cromberg é psicanalista, membro do Departamento de Psicanalise do Instituto Sedes Sapientiae, doutora pelo Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Professora dos cursos de especialização de Psicopatologia e Saúde Pública na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e Teoria Psicanalítica da Pontifíca Universidade Católica de São Paulo. Autora dos livrosCena Incestuosa e Paranóia, da coleção Clínica Psicanlítica da Editora Casa do Psicólogo.

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

A escuta como instrumento de trabalho do psicólogo

"O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: "Se eu fosse você". A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. É na não escuta que ele termina. Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção." O que geralmente queremos quando vamos ao psicólogo? Rubem Alves (1999) de forma simples e doce nos respondeu. Queremos alguém que nos escute silenciosamente, sem julgamentos, sem opinar. É na dor da angústia, do sofrimento que surge a necessidade de falar, compartilhar com alguém algo que é só nosso, não diz respeito a ninguém, mas que precisa de um outro para servir de amparo. Pois, se o sofrimento é adquirido através da comunicação, ele pode ser aliviado pela mesma via. Amatuzzi (1999), citando clássicos como Carl Rogers, Paulo Freire, dentre outros, fal…

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…