Pular para o conteúdo principal

Livro: Conceito de Amor em Psicanálise - Maria Madalena de Freitas Lopes

O amor em suas primeiras definições é completude e falta (conforme Platão, no Banquete). Noções que Freud desvela para além do imaginário, seguindo as pistas do sexual que marca presença; para além do eu, mais precisamente, como aquilo que o coloca fora de centro e exige forças que possam contê-lo ou mesmo adoecê-lo, tamanha sua voracidade em insistir ser reconhecido. A completude exigida pelo eixo pulsional (ou sexual conforme Freud) não permite definir um objeto — que, como um dos quatro termos que compõe a pulsão, fonte, objetivo e pressão, é o mais variável —, seguindo os ensinamentos do pai da psicanálise, o que importa é a satisfação. Numa dimensão oposta, o objeto é caro ao amor: é o outro. No enamoramento, este é capaz de empobrecer o eu. No imaginário humano o objeto é idealizado e traz consigo a morte do eu, tal qual é descrito no mito de Narciso, de forma a existir apenas o outro. No fluxo desta balança libidinal eu-outro, o quantum afetivo flui de um polo a outro, numa vertente dual.
Conceito de amor em psicanálise se inicia trazendo as definições dos objetos da pulsão e do amor e como estes se distinguem. O objeto da pulsão é sempre um objeto parcial, o outro do amor é um todo, uma imagem que unifica e fascina, da mesma forma que ocorre com a instauração do eu narcísico.
Explorando a vertente imaginária o texto segue o percurso de Freud, do narcisismo até o conceito de pulsão de morte. A morte ao adentrar a cena psicanalítica demanda um novo discernimento e abre-se à castração — falta humana por excelência, que permite a consciência do existir e de seu limite. A castração coloca tal dimensão e empurra o gozo aos limites do corpo erógeno e acena com a impossibilidade de acesso ao seu objeto, enquanto objeto de gozo, sempre demandado e fora-da-linguagem. Na linguagem — por ser uma questão de lei, de regras — coloca-se a questão humana. O campo do Outro — enquanto campo da linguagem — obriga o sujeito a se posicionar ao mesmo tempo em que o exclui do gozo. Permite a subjetivação e o sonho, uma vez que surgem aberturas, descontinuidades, brechas que possibilitam sua criação. Ou seja: a linguagem, por sua característica, permite a apreensão da existência temporal: que o sujeito exista e se posicione, existindo desde antes.
O campo do Outro (seus contornos) permite ao sujeito uma existência marcada pelo peso da falta, que por sua vez permite que o Outro do amor exista. Em suma, permite que outros existam: a cultura e relacionamentos. O amor resulta da superação do narcisismo — em sua vertente eu-outro — e, portanto, conta com a falta, que permite o Outro como terceiro, iniciando assim a criação de relações humanas.
O amor é uma invenção, recurso poético e primeiro, originário do humano, naquilo em que o Humano ganha destaque. Esta é uma trilha percorrida ao longo da história da psicanálise, que com Freud se inicia — e o amor força a cada passo que seja considerado e definido, impõe sua pesquisa no caminho da subjetividade e de seu eixo, o desejo. Assim se esclarece na perspectiva de Lacan, que persegue tal trilha. A repetição e a transferência que abordam a temática amorosa se revelam vinculadas à ordem pulsional (ou a sexualidade tal qual a psicanálise freudiana a revela). O gozo, a satisfação, a completude marcam presença na contramão do amor. Na neurose, verifica Freud, a incapacidade de amar se apresenta e revela — conforme os Estudos sobre histeria — o objeto (no caso, de gozo); apreensão que impossibilita pensar o amor e defini-lo, e que se apresenta como enigma... O amor ganha sua primeira definição a partir do narcisismo — é “amor a si mesmo” —, tão imaginário como Narciso e a fantasia, mas insiste em suas sutilezas que levam Freud a atentar e definir a morte, e destacá-la enquanto presença em sua teoria. Invenção também de Freud? É a interpretação do silêncio que marca o humano? Castração? O reconhecimento do Outro se vincula ao amor — mais precisamente, por seu Dom —, ganha os contornos do uso do símbolo, que surge como Lei; e o amor, por fim, é capaz de ser reconhecido como saída humana: é superação narcísica e presença da morte, castração na contramão da completude almejada pela pulsão.

Maria Madalena de Freitas Lopes: Psicóloga clínica, Pós-graduada em Psicanálise, Mestre e Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUCSP. Professora e supervisora clínica na Universidade Camilo Castelo Branco - São Paulo. Título do Doutorado: Como as mulheres amam: um estudo semiótico-psicanalítico do amor feminino, 2002.

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

Infidelidade: Quem ama trai?- Ana Elizabeth Diniz

Até mesmo os especialistas em comportamento humano e sexólogos têm dificuldade em conceituar a infidelidade porque ela esbarra naquilo que nos individualiza, como nossa carga emocional, história de vida, dificuldades, limitações, angústias e querências as mais diversas, algumas até patológicas.  A infidelidade requer uma visão tridimensional, "a da pessoa traída, a que trai e a terceira pessoa. Ela pressupõe a quebra do pacto de exclusividade na relação amorosa e gera sofrimento por ter que dividir o companheiro com outro alguém", afirma Clara Feldman, psicóloga, e autora dos livros "Sobre-vivendo à traição", "De Paixão e Cegueira" e "Encontro, uma Abordagem Humanista". Motivações não faltam para explicar a infidelidade. "Alguns argumentam que a qualidade do relacionamento não está boa, que se sentem insatisfeitos com a relação, outros porque apresentam a ‘síndrome do pavão’, aquele que seduz pelo simples fato de seduzir e depois abandona a …