Pular para o conteúdo principal

Estádio do Espelho

O reconhecimento jubilatório da criança ao olhar-se no espelho se faz num jogo de aparecimento e desaparecimento, ou seja, de presença e ausência no campo especular. Ela realiza tal experiência, voltando seu olhar em direção ao adulto que assiste à cena, de quem solicita a confirmação de que a imagem projetada no espelho é ela. Isso se dá num movimento tríplice: ele se conhece no espelho, verifica que o outro atesta essa experiência e num terceiro movimento ele se re-conhece num novo olhar.
Essa experiência representa uma transposição/travessia decisiva: a criança passa, a partir de então, a ter uma representação unificada de si mesma. E isso se dá num momento da sua vida no qual ele está longe de dominar o próprio corpo, pois a descoordenação motora não lhe permite o controle do conjunto, razão porque,  suas impressões perceptivas são sempre parciais. Miller chama a atenção para a  suas impressões perceptivas são sempre parciais. Miller chama a atenção para a reconsideração feita por Lacan no Seminário 4, Os quatros conceitos fundamentais, do Estádio do Espelho, quanto ao desejo da mãe. Enquanto a imagem total é ele mesmo, o bebê, o efeito é de júbilo – “eu sou mais do que eu pensava” –, mas, quando ele se depara com a falta, o afeto é de depressão e a imagem total torna-se Outra. Ele se vê como incompleto e em deficit em relação à imagem total. O efeito depressivo comporta uma referência à onipotência da mãe, dissimulando a referência à sua falta. Então, ele se propõe ser o objeto fetiche da mãe, pois a imagem de si toma o sentido de ser o substituto da falta.
Pode-se deduzir, portanto, que a vivência especular é, ao mesmo tempo, jubilatória, por passar a ilusão de um domínio, de unidade reunida pela imagem;e dolorosa, por mostrar que essa imagem não corresponde à verdade da criança,que continua na dependência do outro. Ambas as versões subjetivas, Lacan as designa como a alienação essencial, pois o sujeito percebe sua forma num campo que está fora de si, no entanto, essa imagem dá consistência ao ego.

(A Trama do Olhar, Edilene Freire de Queiroz. Latin-American Journal of Fundamental Psychopathology on Line, V, 1, 89-100)

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

A escuta como instrumento de trabalho do psicólogo

"O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: "Se eu fosse você". A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. É na não escuta que ele termina. Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção." O que geralmente queremos quando vamos ao psicólogo? Rubem Alves (1999) de forma simples e doce nos respondeu. Queremos alguém que nos escute silenciosamente, sem julgamentos, sem opinar. É na dor da angústia, do sofrimento que surge a necessidade de falar, compartilhar com alguém algo que é só nosso, não diz respeito a ninguém, mas que precisa de um outro para servir de amparo. Pois, se o sofrimento é adquirido através da comunicação, ele pode ser aliviado pela mesma via. Amatuzzi (1999), citando clássicos como Carl Rogers, Paulo Freire, dentre outros, fal…