Pular para o conteúdo principal

Hímeros - I Colóquio de Arte e Psicanálise 19, 20 e 21 de abril de 2013



Artistas, psicanalistas e professores universitários, de diversos estados do Brasil estarão presentes em mesas redondas com trabalhos e nos debates. Posters em papel e em vídeo serão expostos no hall do Teatro Tom Jobim. Participação especial: Cia. Inconsciente em Cena. Este colóquio será a abertura do Doutorado de Psicanálise, Saúde e Sociedade da Universidade Veiga de Almeida (UVA).

PROGRAMAÇÃO

Palestrantes confirmados com os títulos de suas comunicações:

Ana Laura Prates Pacheco (EPFCL- SP): Rosa com Joyce: a terceira margem e o quarto nó?
Ana Vicentini (UNB): Quando épos é práxis: ética analítica e ética trágica
Andrea Brunetto (EPFCL- Campo Grande- MTS/ Ágora): Pátrias, fronteiras: o exílio na escrita
Andra Fernandes (EPFCL-Salvador/UFBA): Freud e Zweig: Psicanálise e Literatura
Antonio Quinet (EPFCL-Rio/UVA): Apresentação Hímeros, o brilho do desejo e Teatro e semblante
Antônio Teixeira (EBP-MG/FAFICH-UFMG): Ready for Love: Estética da violência e da exceção em ‘Clockwork Orange’
Auterives Maciel (UVA): A estética do deslimite: Manoel de Barros e arte brasileira contemporânea
Bárbara Guatimosim (EPFCL/UFMG): Kafka e a função da Letra
Beatriz Maya (EPFCL - Colômbia): Não suficientemente poata
Betty Fuks (UVA): Parla! O que a estátua de Moisés disse a Freud?
Christian Ingo Lenz Dunker (EPFCL-SP/USP): Para uma nova teoria do sujeito estético: Lacan com Badiou
Denise Maurano (CFAP/UNIRIO): Da cena trágica à cena analítica
Dominique Fingermann (EPFCL- SP): Poesia e psicanálise
Edson Luiz André de Sousa (UFRGS): Imagens não disponíveis - utopia, arte e psicanálise
Elisabeth da Rocha Miranda (EPFCL-RIO/UVA): Katherine Mansfield e o Bliss
Fernanda Costa Moura (UFRJ) - Sobre a ópera e seu tempo
Florencia Farias (EPFCL-AR/UBA): Teatro e psicanálise
Gabriel Lombardi (EPFCL- AR/UBA): A função tíquica na arte
Glória Sadala (FCCLRJ/UVA): O fazer poético
Gustavo Chataignier Gadelha (PUC-RJ): Acontecimento e dessublimação repressiva: por uma crítica da concordância
Ieda Tucherman (UFRJ): Encontros Imprevistos: Badiou e Manoel de Barros
José Eduardo Costa e Silva (UFES): Música e Inconsciente no Teatro
Luciano Elia (TFAP/UERJ): Por que a psicanálise não é arte?
Lucia Castello-Branco (UFMG): A prática da letra nos sonhos da literatura e da psicanálise
Marcelo Mazzuca (EPFCL-AR/UBA): Música e psicanálise
Marco Antonio Coutinho Jorge (CFAP/UERJ): Madonna– performance e transmissão poética
Maria Anita Carneiro Ribeiro (EPFCL-Rio/UVA): Shakespeare e as mulheres
Maria Cristina Poli (APPOA/ UVA / UFRJ): Mise en abyme e gozo feminino
Maria Helena Martinho (EPFCL-Rio/UVA): A arte de Rembrandt e Giacometti: uma escrita do real
Nina Leite (APE/ UNICAMP): Outrarte
Norman Mandarasz (PUC-RS): Na Corte da castração: Body Arte como produção de verdades
artísticas
Pedro Pascutti (CAPES): A interdisciplinariedade na pós-graduação
Raul Pacheco Filho (EPFCL-SP/PUC-SP): Repetição e contingência na obra de arte
Ricardo Rojas (EPFCL-Colômbia): Arte e interpretação
Rosane Melo (EPFCL-Rio/UFRRJ): Brincar: o tratamento do real
Sheila Abramovich (FCCLRJ/UERJ): a impressão - de um instante - que nos causa
Sonia Borges (EPFCL-Rio/UVA): Recuperação de gozo na criação
Tania Rivera (CF/UFF): A Arte e o Avesso do Imaginário
Tersa Nazar (ELP): A Escrita em Cena
Vera Pollo (EPFCL-Rio/UVA): O palco da histeria

Para ler mais e fazer inscrição: Hímeros - I Colóquio de Arte e Psicanálise 




Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

Infidelidade: Quem ama trai?- Ana Elizabeth Diniz

Até mesmo os especialistas em comportamento humano e sexólogos têm dificuldade em conceituar a infidelidade porque ela esbarra naquilo que nos individualiza, como nossa carga emocional, história de vida, dificuldades, limitações, angústias e querências as mais diversas, algumas até patológicas.  A infidelidade requer uma visão tridimensional, "a da pessoa traída, a que trai e a terceira pessoa. Ela pressupõe a quebra do pacto de exclusividade na relação amorosa e gera sofrimento por ter que dividir o companheiro com outro alguém", afirma Clara Feldman, psicóloga, e autora dos livros "Sobre-vivendo à traição", "De Paixão e Cegueira" e "Encontro, uma Abordagem Humanista". Motivações não faltam para explicar a infidelidade. "Alguns argumentam que a qualidade do relacionamento não está boa, que se sentem insatisfeitos com a relação, outros porque apresentam a ‘síndrome do pavão’, aquele que seduz pelo simples fato de seduzir e depois abandona a …