Pular para o conteúdo principal

Pra sempre namorados


Por Talita Alencar
Os tempos são outros. Tudo está mais próximo, ao alcance das mãos de qualquer um, e mesmo hoje, com tanta facilidade dando sopa por ai, há quem diga que se relacionar esta cada vez mais difícil. Mas quando falamos de relacionamentos, não existe nada melhor e mais antigo do que namorar.
Nos anos 50, o mais comum era que o casal ficasse mesmo “a sós” após o casamento. A modernidade facilitou muito as coisas, porém todos os dias surgem novas formas de se relacionar. Com o namoro não poderia ser diferente.

O caso de Marli Rosa do Studio D’Marthani Hair Visage e do seu atual marido Messias Souza Pereira é uma verdadeira história de amor moderna. O casal se conhece há 17 anos, e estão juntos a 15. Há cinco anos, decidiram ir morar juntos, mas sentiram que estava faltando algo para abençoar e consumar mais o amor, por isso, recentemente decidiram se casar.

O que faz o perfil deles ser diferente do casal moderno? “Nós fizemos um ‘test-drive’, e acabamos descobrindo que agente se ama muito mais do que imaginávamos, talvez se nós tivéssemos casados antes, não teria dado tão certo quanto está dando agora, por esse motivo o namoro é importante” afirma Marli.
Assim como explicou Marli, o namoro mais longo os fez enxergar muitas coisas antes de realmente consumarem a união com o casamento. “No período de namoro você aprende a conhecer o seu parceiro, a entender, a compartilhar. O amor deve se trazido do namoro para o casamento.” Indica.

O mais interessante do namoro dos dias de hoje, é que cada vez mais os casais estão namorando por mais tempo, com o intuito de tirar proveito dessa fase de conhecimento e realizações. “O namoro hoje ganha diversas configurações, e não necessariamente é um estado civil de quem irá noivar e casar. No caso de parceiros maduros, por exemplo, oriundos de relação de casamento anteriores, muitas vezes o desejo não é por uma segunda reunião estável que inclua morar junto, dividir, cama, mesa e banho, o que não exclui o desejo de amar e ser amado, dividir prazeres e mazelas da vida.” Explica a psicóloga, psicanalista e escritora Ana Maria Amorim de Farias.

Mesmo com o passar do tempo, o namoro continua sendo a forma mais funcional de se relacionar. Prova de que namorar não tem limites e nem idade, é o casal Buzaid Algouz e Julieta Kauich Algouz. Conhecidos pela história no Seicho-No-Ie Penha e casados há 64 anos, eles contam como manter esse “namoro” por tanto tempo. “A vida é um eterno aprendizado e quando a alegria, o companheirismo e a fé em Deus estão ao nosso lado, partilhamos o nascimento e crescimento dos filhos, e assim a vinda de netos e bisnetos.”
Quando estamos namorando estabelecemos uma relação de comprometimento com a outra pessoa, por isso é importante que ele exista. É no namoro que se descobre um ao outro, sem dúvidas é um período mágico da união. 

"Poder dizer meu namorado ou minha namorada é uma forma de revelar ao mundo que estamos enamorados, que alguém é importante para nós, ainda que isso não inclua um contrato social. E neste sentido o termo namoro é importante não como estado civil, mas como uma declaração ao meu amor, e ao mundo, do meu amor.” Completa a psicóloga.

Até o solteiro mais convicto de todos, fica um pouco mexido na época de Dia dos Namorados, e lá no fundo, mesmo negando, busca sua alma gêmea. Boa parte dos solteiros encara o namoro como uma troca de necessidades. O que é errado já que namoro é muito mais que uma forma de se comportar, é na verdade um estado de espirito entre um casal.

Falam que o fim do namoro é o casamento, mas pelo contrário, o namoro não tem fim. O namoro é a magia do relacionamento e após casar não se deve perder isso. “Para ter um bom casamento não pode deixar de namorar nunca, que nunca acabe esse namoro entre os casais.” completa Marli.

O segredo para manter um namoro eterno? Senhor Buzaid dá a dica “Acordar e dormir juntos, sair pelas ruas de mãos dadas, amar e respeitar um ao outro vendo a essência de cada um, faz de nos eternos namorados”.
Na vida a dois a eternidade é possível sim, já dizia nosso poeta Vinicius de Moraes, “que seja infinito enquanto dure”.

Talita de Alencar

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO AULA: NEUROSE, PSICOSE E PERVERSÃO

Abaixo Resumo aula: Estruturas Clínicas para estudantes da área de saúde
A Psiquiatria Clássica considera que a doença mental tem origem dentro do organismo. Busca a explicação dos distúrbios do comportamento em uma possível disfunção ou anomalia da estrutura ou funcionamento cerebral. Nesse sentido, existem mapas cerebrais que localizam em cada área cerebral funções sensoriais, motoras, afetivas, de intelecção.  Nessa abordagem da doença, os quadros patológicos são exaustivamente descritos no sentido de quais distúrbios podem apresentar.
Para a Psicanálise, o que distingue o normal do anormal é uma questão de grau e não de natureza. Todos nos humanos mediante a passagem pelo Complexo de Édipo e conforme somos atravessados pela falta e castração nos situamos dentro de uma determinada estrutura psíquica.
Estrutura psíquica é um modo de funcionamento diante da vida, de lidar com o próprio desejo e o desejo do outro, se relacionar com o mundo, com o que nos faz falta e o que nos motiva.

Auto-Estima: Uma possível construção

Inúmeros livros de auto-ajuda buscam ensinar o amor a si mesmo; como elevar a auto-estima. Mas será que o amor próprio é algo que se aprende?
Para a psicanálise lacaniana, o EU é constituído a partir do olhar do Outro. Quem já não presenciou o jubilo de um bebê quando tem cerca de seis meses ao descobrir sua imagem no espelho? Se quem segura este bebê, não só neste momento, mas na vida, ou seja, se a pessoa constante em seus cuidados o vê como um SER especial, dotado de virtudes singulares e com uma personalidade própria, a base para a constituição da sua auto-estima está solidificada. Nestes primórdios da vida, o olhar dos pais dota o bebê da ilusão de completude. O pequenino é dependente, não tem o controle dos esfíncteres, não anda, não fala, usa babador. E daí? É fofo, pequeno e encantador.
A questão é que nem todos recebem este olhar. D. W. Winnicott, pediatra e psicanalista inglês acrescenta através de sua teoria e prática clínica que a base da segurança é passada na forma que o b…

A escuta como instrumento de trabalho do psicólogo

"O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: "Se eu fosse você". A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. É na não escuta que ele termina. Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção." O que geralmente queremos quando vamos ao psicólogo? Rubem Alves (1999) de forma simples e doce nos respondeu. Queremos alguém que nos escute silenciosamente, sem julgamentos, sem opinar. É na dor da angústia, do sofrimento que surge a necessidade de falar, compartilhar com alguém algo que é só nosso, não diz respeito a ninguém, mas que precisa de um outro para servir de amparo. Pois, se o sofrimento é adquirido através da comunicação, ele pode ser aliviado pela mesma via. Amatuzzi (1999), citando clássicos como Carl Rogers, Paulo Freire, dentre outros, fal…